Buscando a notícia para você desde 2007 - Região Costa Verde - Ano 2017 -

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Queimadas e tratamento de lixo são debatidos em reunião.

Um grupo se reuniu para debater questões como queimadas e tratamento de lixo na cidade de Itaguaí. Foi a reunião do Conselho Municipal de Meio Ambiente, nas dependências da Secretária Municipal de Meio Ambiente, Agricultura e Pesca. Estavam presentes, além do secretário Jailson Barboza, representantes de empresas como a Petrobras, Ciclus, CSN Mineração e Sepetiba Tecon e Marinha do Brasil. Membros do Conselho da cidade e de entidades de pescadores também.

Para Jailson Barboza, a reunião é uma forma de buscar respostas que a sociedade precisa diretamente com os atores envolvidos. “Não adiante jogar o problema para escanteio. A população nos apresenta os problemas e temos chamado os atores responsáveis para criarmos um plano de ação para responder à população, porque temos que chagar a uma solução. Só a secretaria não tem a resposta para a população. Não podemos mais buscar a solução somente com o poder público. A resposta está na própria população, nos empresários, passando pelas instituições públicas”, conta o secretário.

Os representantes do grupo CSN foram convidados para falar do problema das queimadas que ocorrem na área da empresa. De acordo com o gerente de meio ambiente da empresa, José Alcides, a participação na reunião foi uma forma de trocar informações para poder sanar o problema. “Precisamos coletar informações porque não sabemos se a origem das queimadas é uma combustão espontânea, se é criminal... nós não sabemos qual é a origem, só sabemos que o incêndio acontece e que atrapalha muito os moradores de Itaguaí. Queremos combater a origem, porque não adianta trabalhar na consequência e continuar tendo focos de incêndios”, afirmou José Alcides. Ele também ressaltou que uma nova reunião ficou agendada com outras secretarias para tratar das queimadas no município.




Questionados sobre se há um monitoramento das áreas de queimadas, o coordenador imobiliário da CSN, Carlos Roberto Ferreira, disse que a área é muito grande e que na próxima reunião será acertado um trabalho conjunto com a Petrobras para monitorar os locais de incêndios.

A questão do tratamento do lixo também foi levantada durante a reunião. Representantes da empresa Ciclus falaram das medidas que estão sendo tomadas pela empresa para reduzir o mau cheiro e evitar o vazamento de chorume, que pode contaminar o solo, como o ocorrido em fevereiro do ano passado.

Ainda sobre o lixo, representantes do Conselho Municipal de Políticas públicas sugeriram que ecopontos (para realizar a coleta seletiva) fossem apoiados pela Ciclus. Para o vice-presidente da Colonia de Pescadores de Itaguaí, Helio Ferreira, o Helinho, essa seria uma boa forma de cuidar do lixo e de gerar renda para o munícipe.

Helinho também falou que nessas reuniões tem tocado na mesma tecla que é a do zoneamento econômico, ecológico e costeiro. “É uma demanda acima do poder público municipal, que envolve o estadual e o federal. É preciso um investimento na infraestrutura da orla de Itaguaí e nos demais locais da Bahia de Sepetiba para que seja feita uma parceria público-privada e acadêmica, junto aos empreendedores no mar para as devidas demandas junto ao poder público municipal e resolver muitas questões”, disse.

A próxima reunião deve ocorrer em cerca de 35 dias.


Fonte : Jornal Atual
texto  : Dilceia Norberto 
Foto   : CLEITON BEZERRA - REPRESENTANTES DA CICLUS (EM PÉ) DURANTE REUNIÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE